terça-feira, 27 de outubro de 2009

Lei da selva em supermercado gaúcho

Neste fim de semana presenciei uma coisa horrorosa! Em um supermercado de uma grande rede da capital gaúcha, cerca de 11h30min do sábado, uma mulher foi atropelada e se viu embaixo das rodas do carro novamente, porque o cidadão deu ré para passar por cima da moça. O homem foi pego, a mulher jazia no chão e uma multidão começou a se aglomerar no local. Não vi o desfecho e nada saiu no jornal, mas pelo que soube foi realmente uma tentativa de assassinato. Se não há jornalistas por perto a empresa sempre consegue abafar o que ocorre em seus estabelecimentos, mas também não importa o que aconteceu depois. Importa o fato em si.

Ora, então como é fácil matar! Gente, em plena luz do dia um louco resolve: "acho que vou matar aquele meu desafeto hoje...". Vai lá e consuma o ato. Fácil assim! Isso se chama banalização da vida! Isso se chama falta de limites em casa! Isso se chama olhar apenas para o próprio umbigo...Quando digo que as pessoas estão muito soltas, achando que podem tudo, alguns respondem: sinal dos tempos, a gente tem que evoluir, crescer, viver outras eras... Evoluir? Matar é evoluir? Sim, porque o cara quis, achou que podia, porque é livre, então foi lá e tentou dar cabo da vida da moça.

Meus amigos...Tenho uma grande amiga que diz para cuidarmos bem de nossos filhos porque serão eles que escolherão nosso asilo. E é isso aí! Olhe para teu filho. Olhe no olho. Cuide dele, cuide por ele! Não deixe que tua preguiça, que teus minutos a mais no sofá criem um monstro! Todos temos momentos de desequilíbrio, de descalabro, mas matar dessa forma não é simplesmente um deles. Quem é amado e cuidado ama a vida,  preserva a vida e não tenta acabar com ela! Quem é amado cuida, não descuida. Quem é amado morre de amor mas não mata. Quem é amado dá a volta por cima e não passa por cima...


Não deixe que a sua vida acabe embaixo das rodas de um carro dirigido por um louco ensandecido! Ensine aos teus que a vida as vezes parece uma selva, a despeito de termos que matar um leão por dia para sobreviver, mas mesmo na selva só se mata o leão para comer...Para bom entendedor...

Gostou? Por favor, então me ajude a divulgar o blog para seus amigos!
Se você gostou mesmo, continue comigo lendo:
O teu gato subiu no telhado...
E eu que passei anos sem comer ovos!
Calendário da moda para o final do ano

13 comentários:

Claudinha disse...

Testando...

Leila Franca disse...

Claudinha, eu que não enxergo direito só acho a fonte do texto muito pequena. Mas o problema não é a fonte, mas os meus olhos.

Anônimo disse...

Deve ter sido horrível presenciar este fato. O quê será que levou esse indivíduo a praticar tal ato com tamanha crueldade... Não é possível que um ser humano em sã consciência faça uma coisa dessas... Além do berço, quais foram os outros fatores que deram causa a esta insanidade, dificilmente viremos a saber. Mas Deus é onipresente e a sua justiça, tarda mas não falta.
João Batista Da Cunha
JBCPOETA

Edilza Nascimento disse...

Que fato brutal, Claudinha. Mas infelizmente isso é o nosso cotidiano. Infelizmente. O que alimenta esse círculo é a certeza da impunidade. São tempos difíceis mesmo. Cuidar bem de nossos filhos é um privilégio. Aqui em casa a gente até brinca com a estória do asilo rsrsrs. Mas é isso mesmo acho que um pouco dessa violencia toda também se origina no lar. Alias esse bebê é muito fofinho.
Parabéns pelo texto. Um abraço,
Edilza

Claudinha disse...

Leila!
Em tua homenagem vou tentar aumentar a fonte! Rsrsrs!
Bjs

Claudinha disse...

João!
Será que o cara não tinha consciência do que fazia? A gente tem a tendência a achar que as pessoas só podem estar transtornadas para fazerem coisas como essa, mas será?
Eu espero que a moça esteja bem. Não conhecemos o caráter dela, não sabemos quem é. Talvez seh]ja uma pessoa muito ruim, mas não importa. Se você tem desavenças, vai lá e resolve, vai correr para gastar energia, chuta o balde...
Bjs

Claudinha disse...

Edilza:
O bebê é meu afilhado. Lindo né?
A impunidade ajuda muito. Os casos se repetem pela certeza da não punição. Mas também falham os limites dentro de casa.
Bjs!

Principe Encantado disse...

Todas essas coisas acontecem por falta de punição, ninguém acredita ou pelo menos muitas pessoas não acreditam em nossa justiça ai ocorre esses fatos lamentavelmente.
Abraços forte

LL disse...

Penso que cada vez mais os valores que os nossos pais nos transmitiram têm cada vez menos seguidores. A liberdade é um direito que todos temos, pena que alguns não a saibam usar. Não consigo encontrar nenhum sentido ou relação entre liberdade e direito de matar, roubar, enganar ou até mesmo tentar passar à frente numa simples fila.

Parabéns pelo texto!
Beijos
Luísa

Antonio Regly disse...

Claudinha,

Recebi a mensagem e vim testar para verificar o problema com os comentários e buscar ajuda com a minha filha (não sei quase nada de configurações).
Mas o formulário está abrindo normal.
Não lhe respondi pelo diHitt por lá estou com problemas nas mensagens, recados e indicações. Se o fizesse por lá não receberia minha resposta.
Se o problema persistir, peço listar as mensagens de "erro" que aparecem na tentativa de comentar, se o formulário não abre, ou se o problema é com a verificação de palavras etc.

Peço fazer contato por email porque pelo diHitt não conseguirei falar: aregly@gmail.com

Abraço do amigo,

Antonio

Claudinha disse...

Antônio!
Te respondi a mensagem no Dihitt mas não sei se você irá receber...Que pena que você está com esse problema! Já falou com o administrador do site?
Bjs!

Atila City disse...

Claudinha, triste quando isso acontece como disse a banalização da vida tem sido um grande problema de nossa sociedade, e é tão antigo quanto o homem.
Me sensibilo com tais exemplos, mesmo porque a vida ja me mostrou situações semelantes, por assim dizer.
Porém, um ponto do texto me chamou também atenção, se tais barbaries sejam um fator de evolução, pelo que eu acredito, infelizmente sim, uma vez que o homem é um animal terrestre e para conseguir "civilizar" na história humana tivemos muitas guerras, na sua maioria entre a mesma espécie, mas temos o outro lado, que trás pessoas que assim como você se sensibilizam com, como essa situação esta mais presente, mais próxima.
Devemos sim cuidar dos nossos filhos, aprender com tais violências que elas não nos levaram a lugar nenhum, a não ser para uma situação ainda mais violênta e ensinar com exemplo que exitem maneiras melhores de explorar nossas "raivas".. por exemplo.. escrevendo exelentes textos como o teu.
Um grande beijo

Claudinha disse...

Atila City!
Obrigada por teus elogios! Mas, que coisa é essa de nos metermos em guerra para "civilizar"?
Guerra é sinônimo de loucura, de falta de diálogo e de entendimento!
Violência não é solução para nada. O que é violento é temido e não respeitado. Que relação se constói a partir disso?
Bjão!