quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Pela Paz e Não-Violência -Desejo-te uma vida longa com os teus

Meu irmão, Ricardo, morreu em 23 de março de 1993, no auge de sua juventude, vítima de latrocínio. No dia seguinte foi João, vítima de bala perdida. Dois dias depois, Marcos. Esse não pagou a proteção do traficante dono-do-morro onde morava. Entre Ricardos, Joãos e Marcos, vamos vivendo dia após dia, já impassíveis, a perda de nossos entes queridos, de nossos amigos, de nossos vizinhos. Afinal, uma dor a mais, uma a menos não faz diferença! Nós brasileiros, acostumados às batalhas da vida, nem mais nos emocionamos ao ouvir o noticiário à noite. Dificuldade é o meu nome, pensamos.

Ninguém chorou a morte de meu irmão...Ninguém fora a família e os mais de 200 amigos presentes no enterro...Mas somos poucos...O que é o sofrimento de 230, 240 pessoas? Nada! Na morte de João, outros tantos o prantearam. Marcos não teve quem chorasse abertamente por ele. O traficante não deixou...

E você? Vai esperar que lhe tirem o filho dos braços para entender que o mundo exige que você fale? O mundo exige que você berre! Urre! Diga não! Quero ouvir você dizer junto comiog que unca mais precisaremos temer sair às ruas!

Participe dessa luta, que não é minha, que não é sua, mas de todos nós! Acesse o site da Marcha Mundial e colabore!

3 comentários:

Principe Encantado disse...

Estou dentro, conta comigo amiga
Abraços forte

arte-e-manhas.com disse...

Todas as Marchas, divulgação e iniciativas deste tipo, são poucas Claudinha! Isso é o mínimo que se pode fazer por todas as vítimas da violência.

Beijos
Luísa

Leila disse...

É por isso que eu quase não saio de casa. O governo é que tem que tomar uma atitude mais firme. Aqui o Rio de Janeiro estamos cercados por favelas perigosas. Quem é de bem está preso dentro de casa enquanto os bandidos gozam de liberdade total nas ruas e para tomar nossas coisas conquistadas com sacrifício, inclusive nossa vida.